CARTILHA PRODUÇAO SUSTENTAVEL DE CARVAO VEGETAL


24-11-15

A produção brasileira de carvão vegetal corresponde a cerca de 30% da produção mundial, e somente no Brasil, este insumo é utilizado industrialmente, no caso, na redução do minério de ferro e produção de aço, ferro-liga e ferro-gusa.

A utilização da madeira de eucalipto reduziu a pressão sobre os remanescentes ?orestais, no entanto, a produção de carvão, em grande parte, é realizada em fornos rudimentares sem as preocupações básicas com o meio ambiente e com a saúde do trabalhador.

O desenvolvimento de tecnologias que permitam a recuperação dos gases gerados durante a carbonização da madeira possibilita a redução de impactos ambientais negativos e representa uma alternativa econômica. Estas tecnologias devem ser eficientes e de baixo custo, para que sejam implantadas pelos produtores de carvão vegetal.

Atualmente, as fornalhas para a combustão dos gases da carbonização mostram-se como a melhor alternativa para acoplamento aos fornos para promover uma melhoria do ambiente de trabalho, devido à eliminação dos compostos poluentes presentes na fumaça.

O objetivo principal do Manual da Produção Sustentável de Carvão Vegetal é apresentar um sistema de quatro fornos circulares acoplados a uma fornalha, que possibilite máxima produção de carvão vegetal, com elevada qualidade e com baixa emissão de gases poluentes, além de apresentar as boas práticas da produção de carvão vegetal.

CONSIDERAÇOES FINAIS.

A combustão dos gases da carbonização em queimadores (fornalhas), visando à redução das emissões gasosas, significa uma sensível contribuição ambiental, além da possibilidade da obtenção de energia térmica e elétrica nas unidades produtoras de carvão vegetal.

Contudo, ressalta-se que ainda existem algumas barreiras tecnológicas e financeiras ligadas à queima dos gases da carbonização. Tais barreiras se mostram presentes já na concepção da simples combustão, sobretudo, na fase inicial da secagem da madeira, onde os gases emitidos são de difícil combustão devido à maciça presença de água, como também, quando se propõe o aproveitamento termoelétrico do calor gerado.

Embora estas fornalhas estejam sendo construídas com tijolos comuns, portanto mais baratos, o custo desta  tecnologia não é totalmente acessível aos pequenos e médios produtores de carvão vegetal, que representam mais de 80% da produção,  ecessitando ainda de muitas pesquisas adicionais para redução dos custos e aumento da eficiência do processo, além de linhas de financiamento.

A cadeia produtiva está avançando, porém, é necessário mais tempo e investimentos para evolução e consolidação das melhores técnicas para a produção sustentável do carvão vegetal.

CONFIRA A CARTILHA NA ÍNTEGRA NO LINK ARTIGOS TÉCNICOS.


  • Angélica de Cássia Oliveira Carneiro

    ANGéLICA DE CáSSIA OLIVEIRA CARNEIRO

    Eleita Diretora Científica da Sociedade de Investigações Florestais. Professora Angélica, possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de…

CONFIRA TAMBÉM...