PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE PELLETS DE MADEIRA NO BRASIL


25-11-15

A questão energética assume, nos dias atuais, uma enorme importância, pois o aumento do consumo energético coloca em xeque as fontes esgotáveis e poluidoras (derivados do petróleo). O uso de novas fontes requer que estas sejam capazes de substituir as atuais fontes primárias e, ao mesmo tempo, sejam limpas ou menos poluidoras. Dada a extensão territorial do nosso país, não existe uma única e universal fonte de energia que atenda a todos. Precisamos combinar diversas fontes de energia (eólica, solar, térmica e hídro-elétrica), levando em consideração as condições naturais de cada espaço geográfico e as oportunidades disponíveis. É aqui que entra os pellets de madeira que podem ser produzidos a partir de resíduos agroflorestais como o bagaço de cana, serragem e maravalha de madeira.  São biocombustíveis compactados que tem baixo teor de umidade e alto poder calorífico, permitindo elevada eficiência na combustão, destacando-se por ser um produto natural de fácil manuseio e estocagem.

O Brasil tem hoje 16 indústrias que podem produzir pellets de madeira. No último ano, três indústrias fecharam as portas, mas já existem quatro projetos em desenvolvimento, com previsão para entrar em operação no próximo ano de 2016.

O Mapa dos Pellets no Brasil 2014, apresenta a distribuição das plantas industriais no país. As regiões Sul e Sudeste, produzem 100% dospellets no Brasil, justamente porque nessas regiões concentram 73% dos resíduos das indústrias de madeira processadas. Além disso, é onde estão os maiores percentuais de áreas com reflorestamentos de pinus do Brasil. Agregar valor a esses resíduos agroflorestais, compactando-os na forma de pellets, é uma boa alternativa para diversificar a matriz energética utilizando fontes renováveis e sustentáveis que contribuam para diminuir o impacto das emissões poluentes no planeta. 


  • Dorival Pinheiro Garcia

    DORIVAL PINHEIRO GARCIA

    Engenheiro Industrial Madeireiro formado pela Universidade EstadualPaulista – UNESP (2003). Doutorando na área de Aproveitamento de energia (2012) pela FEG/UNESP. Professor de Tecnologia…

CONFIRA TAMBÉM...